Câmara de Comércio França Brasil

Notícias
  1. CCIFB
  2. Notícias
  3. Atualidades das Câmaras
  4. Ministro de Minas e Energia defende crescimento do setor

Ministro de Minas e Energia defende crescimento do setor

Empresários franceses e brasileiros se reuniram no dia 17 de agosto, em São Paulo, durante almoço realizado pela Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), na Maison Saint-Gobain, para debater os desafios e as oportunidades de investimentos nos setores de energia, petróleo e gás. “Estamos otimistas com os possíveis avanços que o País pode ter nos próximos anos e a nossa indústria está preparada para essa retomada”, disse Thierry Fournier, presidente da CCIFB-SP.

Para Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia, o setor elétrico precisa mudar para ter um desenvolvimento sustentável no longo prazo. "Ou reorganiza-se o setor, ou ele não agüenta mais dois ou três anos”, disse. “Estabelecemos uma ampla agenda de conversas com empresários e todas as entidades envolvidas, de modo que a consulta pública referente às alterações  se encerre este mês e vá para o Congresso em setembro”, sinalizou.

Outro ponto destacado pelo ministro foi o RenovaBio, programa do Governo Federal para expandir a produção de biocombustíveis, baseado na previsibilidade e na sustentabilidade ambiental e social. “Eu “nunca” vi um programa que gerasse tamanho consenso. Todos os agentes envolvidos estão alinhados e não há ninguém com palavra contraria”, enfatizou. “Com previsão para 2030, a iniciativa pode ser considerada um novo marco regulatório que está em análise na Casa Civil”, explicou.

Segundo o ministro, o governo poderá leiloar no primeiro semestre de 2018 o direito da exploração do petróleo do excedente da Cessão Onerosa, contrato entre a União e a Petrobras para a exploração de 5 bilhões de barris de óleo  sem licitação. “O leilão poderá ocorrer, caso o impasse na renegociação do contrato da cessão onerosa de direitos à Petrobras se resolva até o fim deste ano”, afirmou Coelho Filho.  "Primeiro, temos de fechar isso com a Petrobras. Se solucionarmos até o fim do ano, nada impede que o façamos no começo do próximo ano", concluiu.

São Paulo

Voltar à lista