Câmara de Comércio França Brasil

Notícias
  1. CCIFB
  2. Notícias
  3. Atualidades das Câmaras
  4. Florestas energéticas para o futuro da matriz elétrica brasileira

Florestas energéticas para o futuro da matriz elétrica brasileira

A proposta de reforma do setor elétrico brasileiro reforça o debate sobre a importância de ações efetivas que envolvam o planejamento, a gestão, a simplificação e a diversificação da fontes de energia. Em evento realizado pela comissão de Infraestrutura da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), Luiz Otávio Koblitz, diretor da Koblitz Energia, defendeu o uso de florestas energéticas de forma complementar as hidrelétricas.

“É essencial planejar o melhor investimento no setor. Se a expansão e o investimento forem realizados em fontes de energia de curta duração, logo haverá a necessidade de um novo aporte de capital”, explicou. “Para se ter um ideia, fontes como a eólica e a solar duram, em media, de 20 a 25 anos. Já as hidrelétricas duram 105 anos”, sinalizou Koblitz. Segundo ele, a hidrelétrica e a biomassa são as únicas fontes cujos os equipamentos são fabricados 100% no Brasil.

“Aumentar a competitividade da nossa indústria também deve ser levada em consideração no debate sobre a reforma do setor pelas autoridades, empresas, entidades e especialistas”, disse. Segundo o especialista, entre as propostas apresentadas pela Koblitz estão: a implementação de 20GWm de florestas energéticas, a expansão da energia eólica com baterias, a viabilização de alguns reservatórios e a construção de hidrelétricas viáveis. Koblitz destacou, ainda, seis motivos que fazem das florestas energéticas um aposta para o futuro sustentável da matriz elétrica brasileira. Veja abaixo:

 .      Emissão negativa de CO2 por meio do sequestro de 50% da floresta (apenas em regiões degradadas);

2.      Devido ao porte das maquinas (até 80MW), o condensamento pode ser o ar;

3.      Adequado custo de implementação;

4.      Preço da energia gerada em torno de R$ 350,00 MWh;

5.      O Brasil possui 10 milhões de hectares de florestas, sendo 2 milhões subutilizadas;

6.      Localizar as usinas de acordo com as necessidades do sistema;

 Por: Renata Domingues – Retoque Comunicação

São Paulo

Voltar à lista