Colaborador “007” é essencial para aumentar as vendas no mercado do luxo

O ano de 2021 será um ano em que as empresas do mercado do luxo terão de se reiventar. Já 2021 será um ano de transição das marcas para o “novo normal” e 2022 será o ano das novas ações diante do “novo normal”. As previsões são de Elaine Tavares, sócia fundadora da casa Ibirapitanga e autora do guia do Design consciente. Elaine, que já exerceu cargo de liderança na Louis Vuitton, Ermenegildo Zegna e Armani, participou de live, no dia 22 de julho, realizada pela comissão do Luxo da Câmara de Comércio Franca-Brasil (CCIFB-SP). O último encontro debateu o setor de turismo do luxo e pode ser lido aqui.

O primeiro passo para as empresas diante dos desafios da pandemia é volte ao básico. Isso mesmo. Segundo Elaine, é preciso voltar a atenção aos detalhes, sejam os que envolvem o dress code dos colaboradores, a organização da loja ou mesmo a disposição da vitrine. Elaine enfatizou que depois de algum tempo, alguns detalhes passam e não são mais observados pelas marcas e podem gerar experiências ruins e frustradas. 

O segundo passo, destacado pela especialista como essencial, é perguntar para cada colaborador da equipe: quais são os 10 melhores clientes, qual foi a última vez que cada um deles esteve na loja e como eles estão vivenciando o momento atual. Elaine sinaliza a importância do profissional “007”, ou seja, aquele que acompanha o cliente nas redes sociais e mantém contato.

O terceiro passo é treinar e mobilizar os colaboradores para transformarem os clientes em “lovers embaixadores”. De acordo com Elaine, um cliente embaixador da marca pode fazer toda a diferença, pois ele tem uma rede de contatos que vai ser ativada e estimulada a conhecer os serviços e produtos da marca de luxo envolvida. Entre os gatilhos mentais no processo de vendas, a especialista indica usar as ações de marketing que estimulam a magia e a sofisticação para focar nas especificidades de cada cliente e de cada região.

^