Formação Profissional: Troca de experiências França e Brasil

Entender os desafios para formação e desenvolvimento profissional a partir de experiências vindas da França e do Brasil foi a proposta do ciclo de palestras promovido pela Comissão de Recursos Humanos da CCI França-Brasil do Rio de Janeiro, no final do mês de setembro.  Profissionais da área puderam expor programas dos dois países e, ao final do evento, o tema “profissional do futuro” foi alvo de debate entre especialistas e o público presente. “Nosso objetivo é promover um intercâmbio de experiências entre França e Brasil, e ao mesmo tempo pensar as transformações no campo profissional e de carreira”, destacou Pascaline Dalby, coordenadora da Comissão de RH e diretora de Recursos Humanos da Safran Group.

A implantação de programas capazes de desenvolver novas atividades, desafios e propósito faz parte do conjunto de ações valorizadas pela atual geração de profissionais e aprendizes.  Para Débora Nascimento, especialista em Recursos Humanos e diretora-geral do Grupo Capacitare, é preciso saber formar profissionais. “As empresas devem se preocupar com o compromisso de formar e dar empregabilidade”, orientou. Ela ainda explicou os principais pontos da lei de estágio no Brasil e apresentou uma pesquisa referente ao perfil de estagiários no país.

Do lado da experiência francesa, o destaque foi o Programa de voluntariado internacional em empresas – V.I.E. Criado em 2002 com objetivo de facilitar o desenvolvimento internacional das filiais francesas no exterior, a iniciativa conta atualmente com cerca de 170 jovens em missão no Brasil, contratados por mais de 100 empresas de diversos ramos de atividade. O país é o 16º destino desses profissionais, de um total de 129 federações.

“Realizamos recrutamentos atendendo a diferentes perfis, alguns bastante específicos. Nossa preocupação é com a formação e a promoção do intercâmbio cultural. No final da missão, que dura em média 18 meses, cerca de 70% dos colaboradores recebem propostas de emprego”, explicou Fáridah Lopes de Matos, gerente comercial de marketing e comunicação da Business France, empresa responsável pelo programa e pela interface entre a instituição na França e o jovem profissional. A idade mínima para adesão ao V.I.E é 26 anos. O candidato contemplado recebe uma gratificação definida de acordo com a localidade da empresa recrutadora. Para capitais como Rio de Janeiro e São Paulo, o benefício é de 2.278,00 euros.

Profissional 4.0

Para encerrar o ciclo de palestras, Silvana Andrade, especialista em Recursos Humanos, apresentou as habilidades e aptidões que serão valorizadas em um ambiente futuro de trabalho, imerso no cenário das transformações digitais e da inteligência artificial. De acordo com a pesquisa do Royal Bank of Canada (2018), as características desse perfil de profissional são: flexibilidade; comunicação; colaboração; resiliência; pensamento crítico e analítico; e multidisciplinariedade.

“Pela primeira vez estamos valorizando no mercado atributos e competências voltados para racionalidade instrumental. Nesse contexto, o que se valoriza é a capacidade criativa de resolução de problemas complexos e o relacionamento interpessoal, com destaque para empatia”, definiu.

^