Mobilização, inovação e ciência para preservar o meio ambiente

Saiba mais sobre a parceria da Fundação Tara Océan com o FrancEcolab Brasil 2021, projeto da Embaixada da França que tem também a CCIFB entre os parceiros

 

Uma das principais parceiras do FrancEcolab Brasil 2021 – iniciativa da Embaixada da França que conta com apoio da CCIFB, instituições e empresas membro como ENGIE Brasil e L’Oréal Brasil, para sensibilizar as(os) jovens sobre a sua responsabilidade e atuação ambiental – é a Fundação Tara Océan (Fondation Tara Océan). 

A instituição atua na preservação de oceanos por meio da difusão de conhecimento científico para mobilização e conscientização de jovens. Em novembro, o Veleiro de Pesquisa Tara irá ancorar no Rio de Janeiro e promoverá uma série de atividades de acordo com as diretrizes do projeto. 

Neste Dia Mundial dos Oceanos, conversamos com Andre Abreu, representante da Fondation Tara Océan, para saber mais sobre a iniciativa. Confira: 

 

Onde o Veleiro de Pesquisa Tara ficará ancorado, durante qual período e quais são as principais ações previstas dentro do projeto FrancEcolab Brasil 2021?

André Abreu: A escuna Tara chega ao Rio de Janeiro dia 04 de novembro, e fica na Marina da Glória até o dia 11 de novembro, para recebermos a bordo o público carioca, jovens, crianças e parceiros. 

Estaremos trazendo uma exposição sobre microplásticos traduzida para português, com atividades pedagógicas associadas ao projeto FrancEcolab, assim como material pedagógico sobre o microbioma marinho, um ecossistema pouco conhecido mas essencial para o planeta e o clima. E é claro faremos “lives”, “cafés”, um webinário e esperamos também realizar pelo menos uma conferência científica em parceria com o CNRS Brasil, a Embaixada, o Consulado e as Instituições científicas brasileiras associadas ao projeto. 

 

A Fundação Tara Océan já tem projetos com empresas na França com foco na redução dos plásticos no oceano: quais oportunidades você vislumbra no Brasil a partir dessa experiência?

André Abreu: Há mais de cinco anos estamos trabalhando com empresas de diferentes setores sobre o tema dos microplásticos, temos uma parceria bem sólida com a L’Oréal, com a Bic, com a Veolia, entre outros. Não se trata somente de mecenato, mas de uma cooperação onde a ciência produzida pelo Tara alimenta os setores de R&D das empresas para redução de embalagens, de aditivos, elementos nocivos em geral para a biodiversidade marinha. Participamos também na França do Pacto nacional sobre embalagens plásticas, buscando soluções para reduzir embalagens e propor soluções inovadoras para sua substituição com materiais mais ecológicos. 

Esse diálogo construtivo com o setor privado precisa também avançar mais no Brasil, onde vejo muitas possibilidades na área de redução de embalagens, desenvolvimento de bioplásticos e materiais inovadores, etc. Também há um potencial enorme do microbioma marinho na área de bioprospecção, e o projeto vai focar muito nessa área, com diversos parceiros, sempre em parceria com Instituições brasileiras, com aval e parceria da Marinha nacional e do Ministério de ciências e tecnologia. O veleiro Tara passa 3 meses no Brasil, mas o projeto científico, chamado AtlantECO, vai até 2025, então temos muito horizonte ainda pela frente! 

 

^