CCI França Brasil

Previs√£o de c√Ęmbio para 2020 permanece em R$ 5,10 e estimativa para 2021 √© entre R$ 4,50 e R$ 4,75

Os economistas Octavio de Barros, vice-presidente da C√Ęmara de Com√©rcio Fran√ßa-Brasil (CCIFB-SP), Gustavo Arruda, do BNP Paribas, e Valdimir do Vale, do Cr√©dit Agricole, avaliaram durante live do Observat√≥rio Econ√īmico realizada no dia 8 de setembro, que a moeda americana dever√°¬†encerrar este ano na casa dos R$ 5,20, enquanto em 2021, a estimativa √©¬†de um patamar entre¬†R$ 4,50 e R$ 4,75. Em outras palavras, houve um consenso em torno de alguma valoriza√ß√£o do Real em 2021 na medida em que a deprecia√ß√£o cambial ocorrida nos √ļltimos 12 meses (da ordem de 40%) gerou um forte ajuste externo no Brasil. O √ļltimo encontro debateu o cen√°rio global e dom√©stico examinando o que se pode esperar no contexto p√≥s-pandemia.

 

De acordo com Barros, a fraqueza do d√≥lar frente ao euro deve continuar pelo menos a m√©dio prazo. Segundo ele, no momento, a pol√≠tica monet√°ria bem mais expansionista nos Estados Unidos ao lado de uma resposta √† pandemia considerada mais eficiente na Europa justificam essa percep√ß√£o. A rela√ß√£o d√≥lar/euro tende a se manter em patamares entre 1,20 e 1,30 d√≥lares por euro por algum tempo. Ressaltou tamb√©m que a atividade econ√īmica tende a se recuperar um pouco mais rapidamente na Europa do que nos Estados Unidos com as pol√≠ticas de est√≠mulo fiscal que avan√ßar√£o ainda ao longo de 2021. Outro ponto destacado sobre o cen√°rio global por Octavio de Barros √© a retomada r√°pida da China atrav√©s de investimentos em infraestrutura e constru√ß√£o civil.¬† Barros sinalizou tamb√©m que a China, nesse momento, est√° tendo um papel determinante para os pa√≠ses da Am√©rica Latina como o Brasil absorvendo volumes significativos de exporta√ß√Ķes de produtos prim√°rios como, min√©rio de ferro, de soja e at√© mesmo milho e a√ß√ļcar.

 

J√° olhando para o cen√°rio brasileiro, Gustavo Arruda¬†afirmou que a economia brasileira tem apresentado recupera√ß√£o mais forte do que o esperado, mas alertou que o ritmo de recupera√ß√£o n√£o deve ser mantido nos pr√≥ximos trimestres.¬†Em¬†recente¬†revis√£o,¬†o BNP Paribas¬†ajustou a proje√ß√£o de¬†queda do Produto Interno Bruto¬†(PIB)¬†brasileiro¬†para -5,0%¬†em 2020¬†(comparado a -7,0% anteriormente). Essa revis√£o √© explicada pelo maior gasto do governo federal, que acabou por alimentar o consumo das fam√≠lias, antecipando a recupera√ß√£o esperada para os pr√≥ximos trimestres.¬†A decis√£o por maior gasto p√ļblico n√£o vem sem custo.¬†Os atuais n√≠veis de endividamento p√ļblico¬†limitar√£o fortemente o espa√ßo para pol√≠tica p√ļblica no futuro. Com a d√≠vida p√ļblica pr√≥xima a 100% do PIB, o Brasil, assim como outros pa√≠ses, podem ter seuritmo de crescimento reduzido.¬†Al√©m disso, Arruda alertou para os¬†riscos pol√≠ticos e fiscais. Arruda enfatizou que um ambiente pol√≠tico mais¬†previs√≠vel¬†facilitaria o retorno dos investimentos estrangeiros.

 

O economista Vladimir do Vale ressaltou as elei√ß√Ķes americanas no cen√°rio global como uma fonte potencial de volatilidade. Para ele, uma eventual vit√≥ria do candidato democrata Joe Biden seria positiva para setores relacionados¬†√†¬†tecnologia e¬†√†¬†sustentabilidade. J√° no caso de reelei√ß√£o do Presidente Donald Trump pode favorecer setores mais c√≠clicos e ligados √† ‚Äúvelha economia‚ÄĚ. Sobre o Brasil, sinalizou como positivo e essencial o movimento do governo de aproxima√ß√£o com o¬†Congresso para aprova√ß√£o das futuras reformas. Vale tamb√©m ressaltou a necessidade de a√ß√Ķes do governo para reduizr o desgaste da imagem do pa√≠s em alguns temas que s√£o cada vez mais sens√≠veis para os investidores internacionais, em especial na quest√£o ambiental e na preserva√ß√£o da Amaz√īnia.

^