Relação comercial entre Brasil e França: parceria sólida e que só tem a crescer, afirma Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia sinalizou que em todas as áreas existem exemplos de uma benéfica relação comercial entre Brasil e França. Segundo Rodrigo Maia, que participou no dia 26 de agosto, de almoço realizado pela Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), em 2018, a corrente de comércio bilateral entre os países superou US$ 6 bilhões.

Em 2019, a República Francesa foi a vigésima primeira principal cliente externa do Brasil e décimo principal fornecedor. Ainda segundo Maia, Brasil e França são tradicionais parceiros econômicos.

A relação comercial entre Brasil e França também é exemplificada pela atuação da Câmara de Comércio França Brasil (CCIFB-SP), a câmara de comércio bilateral mais antiga instalada no Brasil, com 119 anos de promoção do desenvolvimento das relações econômicas, financeiras, comerciais, industriais, científicas e culturais entre Brasil e França.

De acordo com dados apresentados por Maia, existem hoje 890 empresas com ao menos 10% de capital acionário francês instaladas no Brasil. Outro dado relevante é que o estoque de investimentos franceses no País está estimado em US$ 29 bilhões, incluindo setores como comércio varejista, eletricidade, telecomunicação, alimentos e outros. Esses dados indicam que a relação comercial entre Brasil e França é sólida e conta com potencial de crescimento.

Sobre o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, Rodrigo Maia acredita que irá proporcionar aos produtores e investidores grandes oportunidades de crescimento e de compartilhamento de boas práticas. Maia enfatizou que a União Europeia é atualmente o segundo maior parceiro comercial do Mercosul, atrás apenas da China. Já o Brasil é o oitavo principal parceiro da União Europeia.

Entre os desafios da Câmara dos Deputados, Maia ressaltou o fortalecimento da diplomacia parlamentar, o aprofundamento do diálogo com as nações amigas e seus representantes eleitos e o compromisso essencial de proteção ao meio ambiente.

Maia reiterou, ainda, que a Câmara dos Deputados vai apresentar sua contribuição para que se restaure a confiabilidade do modelo ambiental brasileiro. Rodrigo Maia disse ter confiança de que tudo será superado e que, em breve, haverá a retomada da cooperação nas áreas ambiental e econômica.

Durante o encontro, Davide Marcovitch, presidente da LVMH, grupo que reúne várias marcas de luxo e que atua no Brasil principalmente através da Louis Vuitton e Chandon, anunciou em primeira mão que a empresa vai doar 10 milhões de euros para combater o fogo na Amazônia.

O valor é equivalente a mais da metade da quantia prometida pelos membros do G7, grupo de países mais ricos do mundo, durante seu último encontro realizado em agosto, em Biarritz, na França. O G7 irá desbloquear uma ajuda de urgência de US$ 20 milhões, para combater incêndios florestais na Amazônia que será utilizada principalmente para o envio de aviões para apagar o fogo na região.

^