A Câmara

Parceria pela preservação: empresas francesas e FAS unem forças pela Amazônia

Evento incentiva o engajamento das empresas associadas na proteção ambiental e no desenvolvimento econômico da região amazônica

 

 

Parceria pela preservação: empresas francesas e FAS unem forças pela Amazônia

Evento incentiva o engajamento das empresas associadas na proteção ambiental e no desenvolvimento econômico da região amazônica

 

A Câmara de Comércio França Brasil - CCIFB, em colaboração com a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), realizou em 22 de maio o evento "Aliança das Empresas Francesas por uma Amazônia Viva". A iniciativa busca estabelecer uma parceria sólida entre os associados e a FAS para impulsionar o desenvolvimento sustentável na região amazônica, conforme Termo de Cooperação firmado pela CCFB com a organização socioambiental em março deste ano.

O evento teve o apoio da Embaixada da França no Brasil e do Consulado Geral da França em São Paulo. Yves Teyssier D’Orfeuil, cônsul geral da França em São Paulo, que destacou os esforços conjuntos dos dois países na preservação das florestas naturais. “Há um ano, tivemos um evento com a FAS em que a então embaixadora francesa, Brigitte Collet, falou sobre sua visita à Amazônia. O novo embaixador, Emmanuel Lenain, também já visitou a região e conheceu a ONG”, lembrou. “Nesse espaço de tempo, as políticas públicas do Brasil para a Amazônia avançaram bastante, mas ainda representam um desafio comum para o país e para a França.”

O presidente nacional da CCIFB, Pedro Antonio Gouvêa Vieira, e a diretora executiva nacional da CCIFB, Corinne Fontenelle, destacaram a inovação e o reconhecimento do trabalho da FAS pelo governo francês, que recentemente concedeu uma importante subvenção para a organização. Também foram citadas a visita do presidente Emmanuel Macron ao Brasil, em março, e a próxima COP-30, agendada para o próximo ano em Belém (PA), como eventos que põem a região amazônica em evidência nas discussões globais sobre meio ambiente. Em relação à FAS, Pedro Antonio enfatizou o projeto consistente desenvolvido pela ONG. “A FAS desenvolve um trabalho excepcional, garantindo que os recursos realmente cheguem e impactem as comunidades. Esperamos que a CCFB seja um veículo para conversas com empresas interessadas em ajudar na preservação da Amazônia e na proteção dos povos que vivem lá.”

O presidente do Conselho de Administração da FAS, ex-ministro Luiz Fernando Furlan e o superintendente, Virgílio Viana, ressaltaram a importância do engajamento das empresas no atual contexto de emergência climática global. Furlan lembrou a criação da ONG, em 2008, e o desenvolvimento que ela ajudou a trazer para a região amazônica, como a assistência a mais de 12 mil famílias atualmente e a contribuição para o desenvolvimento do turismo e outros setores da economia. Segundo ele, a proteção da floresta é pauta urgente: “a Amazônia é nosso tesouro. Não podemos ignorar as mudanças climáticas recentes, como a seca que a região viveu há poucos meses. Além de preservar a floresta, devemos investir em energia limpa e descarbonização, o que pode ser valioso inclusive para a nossa economia”.

Para Viana, a realização da COP-30 põe sob holofotes a atuação do Brasil em relação à pauta ambiental. “Teremos uma vitrine para a nossa agenda positiva. É a hora de unirmos esforços, porque não vamos resolver o problema da emergência climática sem o engajamento das empresas. A preservação do meio ambiente é responsabilidade de todos”.

Davide Marcovitch, presidente do grupo LVMH para América Latina; Alexandre Allard, cofundador do Aya; Aurélien Maudonnet, CEO da Helexia Brasil; e Tânia Cosentino, presidente da Microsoft no Brasil, compartilharam suas experiências em projetos colaborativos com a FAS, demonstrando como as empresas podem fazer a diferença na preservação do meio ambiente e no desenvolvimento sustentável.

O evento também contou com a participação de Firmin Antonio, fundador do Grupo Accor e administrador da FAS, e outros líderes empresariais, destacando o crescente interesse e compromisso do setor privado com questões socioambientais.