Autora do livro “Há limites para o consumo?” participa de live da comissão do Luxo da Câmara Francesa

O novo livro “Há limites para o consumo?”, da autora Clotilde Perez, coordenadora do Departamento de Relações Públicas, Publicidade e Turismo da ECA-USP e sócia fundadora da Casa Semio, uma boutique de consultoria e semiótica, foi tema de live realizada no dia 6 de agosto pela comissão do Luxo da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP). O último encontro da comissão abordou a transição das marcas de luxo para o “novo normal” e pode ser lido aqui. 

De acordo com Clotilde, um dos capítulos do livro é dedicado aos rituais e processos de consumo, desde a busca de informações pelo produto desejado até a compra, o uso, a posse e o descarte dele. Para a especialista, 

a abordagem do consumo como ritual expande sobremaneira o entendimento sobre a própria sociedade, uma vez que oferece reflexões sobre os mecanismos de transferência de significado do mundo cultural e socialmente constituído para as pessoas, por meio de vetores como a moda, a publicidade e a telenovela.

Outro destaque da obra é a análise do consumo no Brasil por meio da vida cotidiana do brasileiro nas últimas décadas. Clotilde ressaltou que o País tem várias estruturas de apartação da sociedade como, por exemplo, os camarotes e as áreas vips, que impedem que pessoas de contextos e posições diferentes se encontrem e convivam na vida cotidiana. Segundo a especialista, há limites claros para o consumo e ela se aprofunda em três deles no último capítulo da obra. São eles: limites cívico, limites morais e limites afetivos.

^