Deloitte indica os fatores cruciais para iniciativas em Inteligência Artificial

Com a chegada da indústria 4.0, o acesso a informação ficou cada vez mais disponível. Segundo estudo, 96% dos consumidores pesquisam em múltiplas telas antes de realizarem uma compra em uma loja física.

Desse modo, marcas e empresas precisam se adaptar e adotar soluções eficientes e inovadoras para satisfazer seus consumidores. Esses, exigem que suas necessidades sejam atendidas logo no primeiro contato.

Inteligência Artificial é tendência para os próximos anos, revelam pesquisas  

Estudos do MIT apontaram que a Inteligência Artificial é a área de trabalho com maior projeção de crescimento para os próximos anos.

Já o Gartner, aponta que até 2020, 20% de todas as interações de atendimento ao cliente serão totalmente gerenciadas por esse tipo de inteligência.

Estudos revelam que organizações com um bom relacionamento comercial são as que investem em tecnologias digitais, como a Inteligência Artificial, para impulsionar negócios e melhorar a experiência de clientes. 

Essas soluções, além de oferecerem um serviço personalizado para melhor atender cada consumidor, permitem que empresas reduzam custos e monitorem atividades em tempo real. Porém, o processo de adaptação passa por desafios visto que os gestores muitas vezes não sabem quais iniciativas devem ser priorizadas para acelerar essa adaptação.

Para entender os recursos essenciais para esse movimento de transição, a consultoria Deloitte, associada da Câmara de Comércio França-Brasil São Paulo (CCIFB-SP), fez uma pesquisa com 504 executivos do setor de Tecnologia da Informação. A maior parte destes executivos estão ligados a posições de média e alta gerência. Ou seja, bastante próximos da implementação de Inteligência Artificial em seus negócios.

Organizações focam em computação em nuvem e modernização de dados

Segundo o estudo da Deloitte, cada vez mais empresas estão transferindo seus dados para a nuvem através de plataformas modernas. A pesquisa revelou ainda que 9 das 10 organizações pesquisadas já focam em nuvem.

O atendimento em nuvem além de proporcionar um serviço integrado, seguro e eficaz, também garante um serviço personalizado e com custo reduzido. Especialistas apontam que empresas que investem em mobilidade, segurança e atendimento em nuvem, crescem sua receita até 53% mais rápido que os concorrentes.

Outra tendência revelada pela Deloitte foi que muitas empresas estão modernizando suas ferramentas de gestão de dados para acomodar dados não estruturados e tecnologia de código aberto. 55% dos respondentes identificam a modernização de dados como um fator essencial para acelerar a migração de dados para a nuvem. 

Maioria das empresas já estão modernizando seus dados, aponta Deloitte

Modernizar dados significa transferir dados herdados para um banco de dados modernos. Essa prática oferece uma série de vantagens em relação às tecnologias usadas anteriormente, uma vez que permite armazenar imagens, áudios e comentários das redes sociais.

Segundo o estudo da Deloitte, 84% das empresas já iniciaram o processo de modernização de dados. Dessas, 34% afirmam ter seus dados totalmente modernizados, enquanto metade diz estar com o processo em andamento. 81% dos entrevistados dos setores de mídia, tecnologia e telecomunicações relataram já ter iniciado essa modernização.

Empresas consideram Inteligência Artificial e ferramentas modernas como a terceira razão mais importante na tomada de decisões

A maioria dos entrevistados pela Deloitte afirmaram que esperam ter sucesso em seus esforços de modernização de dados. Porém, essas iniciativas nem sempre são formalizadas. 

Apenas 48% dos entrevistados afirmaram ter uma iniciativa formal específica para a modernização de dados. 

A maioria dos entrevistados (57%) relataram que priorizam o planejamento de segurança dos dados como parte de seus processos de modernização. 

Segundo a Deloitte, as empresas respondentes estão cientes das necessidades reais de seus negócios e consideram as ferramentas e a tecnologia disponíveis no mercado como a terceira razão mais importante na tomada de decisões.

Executivos apontam principais obstáculos para migrarem para nuvem e modernizarem seus dados

O estudo da Deloitte também revelou os principais obstáculos relatados pelos executivos entrevistados que os levam a não prosseguir com o processo de modernização de dados.

Segundo a pesquisa, 55% dos entrevistados consideram os custos e orçamentos para modernizarem seus dados acima do que teriam disponível. Já 41% afirmaram que os tomadores de decisão tem outras prioridades.

Além disso, 44% dos entrevistados disseram desistir do processo por falta de entendimento em tecnologia e Inteligência Artificial e 40% afirmaram que as métricas dos relatórios obtidos não são fáceis de compreender.

Já quando o assunto é migração de dados para a nuvem, os principais obstáculos encontrados foram: complexidade (47%), preocupação com a heterogeneidade de dados (45%) e falta de talentos com o conhecimento necessário (28%).

Insights aprendidos com o estudo da Deloitte

O principal aprendizado obtido com a pesquisa da consultoria Deloitte foi o fato de que, enquanto existem empresas que priorizam mais a modernização de dados ou a migração de nuvem, os sistemas de Inteligência Artificial só poderão ser utilizados em sua total capacidade quando ambas as estruturas estiverem atualizadas dentro da companhia.

Os resultados da Deloitte , no entanto,confirmam que modernização de dados e migração para computação em nuvem andam juntas e são fortes tendências.

Segundo a pesquisa, quase todas as abordagens de gerenciamento de dados provavelmente serão modernizadas. Ainda de acordo com a pesquisa, quase todos os dados e aplicativos estarão na nuvem.

Câmara de Comércio França Brasil incentiva a inovação nas empresas

Assim como as demais unidades regionais da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB), a CCIFB-SP visa estreitar relações econômicas, financeiras, comerciais, industriais, científicas e culturais entre a França e o Brasil.

Desse modo, a unidade regional de São Paulo conta com um amplo portfólio de serviços para atender às necessidades de seus associados, e comemora o sucesso de suas iniciativas.

Alinhada aos aprendizados obtidos pela pesquisa da Deloitte, a CCIFB-SP estimula que empresas brasileiras e francesas continuem na sua trajetória de inovação e na adoção de tecnologias disruptivas. 

^