Accor lança nova marca, Greet, voltada para sustentabilidade

O número de empresas que adotam medidas sustentáveis de longo prazo, alinhadas à suas estratégias corporativas para melhor satisfazer seus clientes, cresce a cada dia.

Cada vez mais preocupados com questões ambientais, os consumidores optam por marcas que se preocupem com a natureza. 

Segundo uma pesquisa realizada pela Union + Webster, 87% dos brasileiros preferem comprar produtos e serviços de empresas sustentáveis. Já o estudo “Estilos de Vida 2019”, da Nielsen, revelou que 42% desses consumidores estão mudando seus hábitos de consumo para reduzir seu impacto no meio ambiente.  

Desse modo, ser uma indústria sustentável tornou-se fundamental para empresas que querem se destacar frente à concorrência. 

Sustentabilidade: Estratégia-chave para empresas do futuro

As mudanças climáticas, o comportamento do consumidor e o esgotamento de recursos têm motivado cada vez mais a sustentabilidade na indústria. 

Essa sustentabilidade, no entanto, está baseada em estratégias verdes, que mesclam preocupação ambiental e produtividade. Assim como a Indústria 4.0, a manufatura sustentável é vista como o futuro das empresas.

Segundo a Mckinsey, a performance de uma companhia ou organização deve caminhar junto à uma agenda de sustentabilidade

Segundo o relatório CDP, empresas que investem ativamente em ações sustentáveis têm um Retorno sobre Investimento (ROI) 18% maior que as demais.

Já um relatório de 2018, da Gold Standard, indicou que a venda de produtos sustentáveis cresce seis vezes mais que a média de vendas gerais.

A sustentabilidade é fundamental para que as empresas possam prosperar por terem mais vantagens competitivas, estarem mais preparadas para atender às necessidades de seus clientes e por se relacionar melhor com a sociedade, com governos e políticas públicas.

Tendência sustentável nas indústrias

As práticas sustentáveis ultrapassaram o nicho das organizações que tradicionalmente se posicionavam como “verdes”.  

Agora, as empresas precisam alcançar a sustentabilidade decorrente da diminuição de recursos não renováveis, regulamentações mais rigorosas relacionadas ao meio ambiente e segurança no local de trabalho, assim como a demanda por produtos ecologicamente corretos.

Com o auxílio da tecnologia, faz-se necessário que empresas possuam uma fabricação enxuta. Assim, estas devem fabricar apenas o necessário. Além disso, deve-se simplificar  os processos para maximizar os resultados.

Turismo sustentável é tendência mundial

Ser sustentável já é tendência para empresas de diversos setores, como o setor de turismo. 

Nos últimos anos, o cenário tem se mostrado positivo para o setor turístico. No ano passado, o turismo mundial cresceu 3,9% ao contribuir com uma cifra recorde de US$ 8,8 bilhões e gerar 319 milhões de postos de emprego. 

Esse dado, do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, em parceria com a Oxford Economics, apontou que o turismo correspondia a 8,1% do PIB brasileiro.

Para o ano de 2019,no entanto,  projeções da Organização Mundial do Turismo, estimam que o setor deverá crescer entre 3 e 4%. 

Com a alta do mercado de turismo, o turismo sustentável tornou-se tendência em muitos países. Segundo o  Global Sustainable Tourism Market, relatório do Report Linker, a Taxa de Crescimento Anual Composta de viagens ligadas ao turismo sustentável, entre 2019 e 2023, será de mais de 10% ao ano.

Turismo sustentável no Brasil

O turismo sustentável no Brasil tem ganhado forte destaque nos últimos anos.

Esse destaque pode ser percebido através do relatório divulgado no início de 2018 pela unidade de inteligência do The Economist, com patrocínio da HNA. O relatório, resultado do primeiro Índice de Turismo Sustentável: aprimorando o ambiente de viagem global, indicou que o Brasil ficou em 7º lugar. 

Segundo o relatório, o Brasil teve performance considerada boa em avaliação de impacto ambiental, performance ambiental e crescimento do setor de turismo.

De acordo com o ministro do turismo, Marcelo Álvaro Antônio, o Brasil está na rota do crescimento do setor em 2019. Segundo o ministro, o trabalho do ministério serpa criar recursos para o incremento da competitividade e incentivo à inovação em todas as atividades da cadeia produtiva. “Com um novo ambiente de negócios, teremos um mercado de viagens mais acessível, gerando empregos, renda e desenvolvimento”, prevê.

Turismo sustentável na França

O turismo sustentável também tem ocupado uma forte presença na França. 

O mesmo Índice de Turismo Sustentável, realizado no início no ano passado pelo The Economist, apontou que a França liderou o ranking dos países que se comprometem com o desenvolvimento e promoção de práticas sustentáveis no turismo

Preocupada com questões ambientais, a cidade francesa de Paris, também estimula a prática do turismo sustentável. Engajada em favor do turismo sustentável, a Oficina do Turismo e dos Congressos de Paris propõem aos visitantes a descoberta de um destino solidário, que respeita o meio ambiente e as pessoas.

Na cidade, meios de transporte não poluentes, como trens e metrô, estão disponíveis. Além disso, a cidade da luz convidam os visitantes a alugar bicicletas, conhecidas como Velib, para conhecerem a capital. 

Hotéis e hospedagens com selos ecológicos também estão disponíveis, acolhendo turistas que desejam uma estada “verde”. Os selos “Ecolabel”, “La Clef Verte” e “Green Globe” recompensam os hotéis mais dinâmicos e exemplares em gestão ambiental e sensibilização de clientes.

Conheça a Greet, marca sustentável da Accor Hotéis

Preocupada com questões ambientais e alinhada ao forte crescimento do setor de turismo sustentável, a Accor, rede de hotéis francesa associada da CCFB-SP, inaugurou em setembro sua mais nova franquia de hotéis voltada para sustentabilidade, a Greet. 

De segmento econômico, a marca sustentável combina fatores ambientais com fatores socialmente responsáveis, focada na comunidade. 

Ao contrário das outras marcas que compõem o portfólio de hotéis da Accor, a Greet convida os hóspedes a compartilharem momentos e experiências.

A mais recente marca da rede hoteleira francesa combina uma hospedagem de boa qualidade com preço acessível, com medidas sustentáveis para reduzir o impacto do planeta. 

As características comuns das franquias Greet serão o logotipo nas áreas comuns, uma mesa grande para grupos e, pelo menos, um quinto dos quartos oferecendo espaço para quatro a seis hóspedes. 

Além disso, os hotéis serão incentivados a usar objetos e decorações de fornecedores sustentáveis e de segunda mão. 

O objetivo da Greet é proporcionar uma solução ideal para proprietários de hotéis independentes por meio da oferta de uma marca que combina a reformulação de estruturas hoteleiras existentes com controle de custos, tanto em termos de reforma, quanto de recuperação de espaços. 

O primeiro hotel Greet foi aberto em abril de 2019 em Borgonha, na França. Estão previstos a abertura de 300 hotéis da marca por toda a Europa até 2030. Além disso, a rede chegará rapidamente a vários destinos europeus, sendo que a primeira unidade fora da França, em  Darmstadt, na Alemanha, será inaugurada já nos próximos meses. 

CCIFB comemora inauguração da marca Greet

Fundada há 119 anos, a Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB) reúne mais de 800 associadas, entre empresas francesas e brasileiras.

A CCIFB visa estreitar relações entre a França e o Brasil, como as relações econômicas, financeiras, comerciais, industriais, científicas e culturais.

Nesse contexto, a Câmara Francesa enxerga a abertura dos hotéis Greet uma excelente oportunidade para o estímulo ao turismo na França, através de uma proposta inovadora e voltada para a sustentabilidade ambiental.

^