Quatro mitos sobre a mediação empresarial

Webinar da Comissão Jurídica da CCIFB-RJ debateu as perspectivas da mediação nas corporações e como desmistificar sua prática

 

A Comissão Jurídica da CCI França-Brasil do Rio de Janeiro promoveu webinar para debater as perspectivas da mediação empresarial, prática que apesar de estar em crescimento nas companhias no Brasil ainda gera questionamentos sobre como torná-la uma ampla modalidade na construção de acordos.

O painel contou com a participação do Desembargador Cesar Cury, do especialista em Negociação e Mediação, Ricardo Perez Nückel, e do Gerente Jurídico Sênior da TechnipFMC, Maurício Ribeiro. A moderação foi do Coordenador da Comissão, Bernardo Mendes Vianna, sócio do Vieira Rezende Advogados.

Usada por empresas no ambiente interno, externo e em questões voltadas ao relacionamento com o setor público, a mediação apresenta vantagens como o menor custo e tempo para resolução de conflitos. Além disso, a prática permite preservar as boas relações, apresentando-se como um processo geralmente mais satisfatório na comparação com tratativas judiciais por envolver as partes de forma colaborativa.

“A qualidade das soluções é potencialmente maior quando coconstruídas colaborativamente, sob controle direto dos próprios interessados. Há uma autonomia maior na resolução de conflitos”, ressaltou o Desembargador Cesar Cury.

Para Ricardo Perez Nückel, o conflito precisa ser visto como um componente das relações, para que assim as companhias possam gerir melhor a construção de soluções.

“O conflito é um elemento a ser vivenciado. São as práticas de gestão que vão determinar o desencadeamento de soluções que podem permitir uma construção positiva, capaz de gerar inovação, ou causar a destruição de valores em vários aspectos”, alertou.

O especialista lembrou ainda que “a mediação não é só um processo transacional eficaz, mas, sobretudo, é uma ética e postura sob a perspectiva da responsabilidade e relações com a sociedade.”

 

Confira quatro mitos da mediação empresarial
Para desmistificar as relações entre os negócios e a mediação, veja alguns exemplos de mitos sobre essa prática nas empresas, destacados pelo especialista Ricardo Perez Nückel durante o webinar:

Mito 1: A mediação irá encerrar as relações entre as empresas envolvidas.

Pelo contrário. A mediação permite construir relações duradouras. As companhias se preocupam em manter uma cadeia sustentável, de boas práticas e bom relacionamento.

Mito 2: Não é possível resolver conflitos através da discussão.
Em estudo apresentado pelo especialista sobre a mediação empresarial na França, a média de sucesso na resolução de conflitos está entre 70% e 90%, sendo que o tempo médio de encerramento em 80% dos casos é de 20 horas. Na prática, a mediação tem se mostrado eficiente na construção de soluções de forma mútua.

Mito 3: A mediação serve para conflitos específicos, não podendo ser utilizada em diferentes áreas da companhia.

De acordo com Nükel, a mediação pode ser usada de forma ampla e em cerca de 11 áreas das empresas.

Mito 4: É necessário ter profissionais técnicos como mediadores

Estudos mostram que muitas resoluções de conflitos apontam para novos acordos, e uma menor parte para revisão ou execução. Por isso, muitas vezes é preciso pensar um pouco além da parte técnica, mas incluir tratativas inovadoras e criativas.

^