EPISKIN, líder mundial em engenharia de tecidos, inaugura sua subsidiária brasileira no Centro de Pesquisa e Inovação da L’Oréal no Rio

Pioneira mundial em reconstrução de pele compartilha seu conhecimento para incentivar métodos alternativos no Brasil e oferecer modelos validados internacionalmente em testes de eficácia e segurança

 

Um passo à frente do prazo de 24 de setembro definido pela resolução do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), que proibirá o uso de animais em testes de segurança sempre que haja uma alternativa validada, a L’Oréal recebe hoje a subsidiária brasileira da EPISKIN em seu Centro de Pesquisa e Inovação no Rio de Janeiro.

A EPISKIN é líder mundial em bioengenharia de tecidos para métodos alternativos a testes em animais. A empresa produz pele reconstruída e vários tecidos epiteliais sob um controle rígido de qualidade e a disponibiliza em todo o mundo, não apenas para a Pesquisa & Inovação da L’Oréal, mas também para outras empresas, grupos de pesquisa ou centros de teste. Estes tecidos são ferramentas validadas para serem usados como métodos alternativos para substituir os testes em animais em testes de segurança.

Com o lançamento da EPISKIN no Brasil, esses modelos de pele humana reconstruída e todos os métodos de segurança associados serão disponibilizados para a comunidade científica brasileira e latino-americana para fins de teste de produtos. Diversos laboratórios e outros setores, como os de cosméticos, sanitizantes, brinquedos, materiais didáticos, farmacêuticos, dispositivos médicos e agroquímicos, entre outros, poderão ter acesso a esse método alternativo.

“Já estamos usando tecidos produzidos no Brasil para treinamento e disseminação de métodos alternativos e isso contribui para reduzir os testes com animais no Brasil em vários campos. A inauguração dessa subsidiária da EPISKIN mostra nosso compromisso de longo prazo com o Brasil e reforça a excelência científica compartilhada pela L’Oréal com o país”, conta Rodrigo de Vecchi, CEO da EPISKIN Brasil.

Como pioneira global em bioengenharia de tecidos, a L’Oréal tem se empenhado fortemente em promover métodos alternativos há quase 40 anos, incentivando novas regulamentações locais para proibir testes com animais.

“A L’Oréal ajudou a validar diversos métodos alternativos na Europa, como irritação ocular e sensibilização cutânea, e continuamos compartilhando essas novas conquistas em países cujas regulamentações ainda estão sendo desenvolvidas, como no Brasil”, revela Charbel Bouez, vice-presidente de pesquisa avançada da L’Oréal Américas e presidente da EPISKIN.

Em três anos de atividade no Brasil, mais de 5.000 tecidos de pele reconstruídos foram gerados e utilizados no treinamento de mais de 100 pesquisadores no Brasil e no MERCOSUL, o que possibilitou a implementação de métodos alternativos em diversos laboratórios interessados em reduzir ou substituir os testes em animais. Com a inauguração de sua nova unidade de produção, essa capacidade aumentará para 10.000 unidades por ano.

Graças à essa nova unidade subsidiária no Brasil, a EPISKIN consolida sua presença em três continentes: Europa, Ásia e Américas.

^