Cinco fatos relevantes dos 230 anos da Maison Goyard

A Goyard é uma marca francesa com 230 anos. Não à toa, a sua história está totalmente interligada aos fatos mais relevantes do desenvolvimento econômico, social e cultural. São 230 anos sem fechar as portas diante das duas guerras mundiais, diante da invasão dos nazistas e de todo o avanço industrial. O endereço da primeira loja, localizada na rua Saint-Honoré, 233, funciona até hoje. As informações são de Daniel Monteiro, gestor da Maison Goyard em São Paulo, única boutique da marca na América do Sul, apresentadas durante o primeiro evento da comissão do Luxo, da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), em 2021.

 

Segundo ele, a exclusividade conferida pela essência da marca aos seus produtos é um dos fatores que mais propagam a sua popularidade. Ressaltou, ainda, que o seu diferencial é não se prender ao lançamento de coleções, mas manter o foco em seu espírito tradicional e em produtos produzidos no passado. Conheça agora cinco fatos relevantes da Goyard que mostram a força da empresa no passado e as apostas no futuro.

 

Um baú para chamar de seu

Desde que suas portas foram abertas em 1853, Goyard tem sido um favorito entre as celebridades, artistas, chefes de estado e membros da realeza. Entre as personalidades estão: a princesa Aga Khan, a senhora Pompidou, Coco Chanel, Picasso, os Rockefellers, os Romanov e os Grimaldis, Edith Piaf, entre outros.

 

Trancado a sete chaves

Como todos os segredos de família, o processo de fabricação do Goyardine permanece estritamente confidencial até os dias de hoje. A produção do Goyardine parou após a Segunda Guerra Mundial e só foi retomada quando Jean-Michel Signoles assumiu em 1998. Foi ele que introduziu novas cores além do preto tradicional, como vermelho, laranja, amarelo, verde, cinza e branco.

 

Páginas da história

Em 2010 foi lançado um livro de 200 páginas sobre a história da Maison, contendo imagens de modelos criados ao longo dos anos, desde a sua criação. A edição limitada conta com apenas com 233 cópias, apresentadas em uma mala própria e numerada. A primeira edição está com a família e a de número 233 está na loja de origem da marca. Outra curiosidade é que o exemplar escolhido para a loja da Goyard do shopping Iguatemi é de número 55, que é o código do Brasil.

 

Medalhas de ouro, prata e bronze

O desejo de se destacar pela inovação e pelo senso de tradição rendeu muitos prêmios, especialmente sob a liderança do visionário Edmond Goyard. Na Exposição Mundial de Paris, em 1900, conquistou a medalha de bronze. Na Exposição Mundial de Milão, em 1906, foi medalha de ouro. O feito se repetiu na Exposição Franco-Britânica de Londres, em 1908, além de tantas outras conquistas ao longo dos anos.

O futuro digital

A experiência da Goyard na rede social Instagram é recente, mas tem como um dos objetivos falar com um novo público: os millennials. A marca também acabou de lançar um catálogo digital com os principais produtos. Mesmo com os desafios da pandemia no mundo, a marca não atua por e-commerce. Segundo Daniel, a experiência com o cliente continua forte pelo WhatsApp.

^