Os desafios para integração de PCDs nas empresas

Mais do que atender às exigências previstas na Lei nº 8.213, de julho de 1991, recrutar e capacitar pessoas com deficiência (PCD) são ações de inclusão que reforçam o papel social das empresas. Os desafios passam desde o processo de recrutamento e capacitação até a promoção de acessibilidade nos locais de trabalho.

Para debater o tema, representantes da ABRH-RJ, Firjan, Total e Michelin estiveram reunidos em evento promovido pela Comissão de Recursos Humanos e Formação Profissional da CCIFB Rio de Janeiro, coordenada por Pascaline Dalby (Safran). A advogada Magda Alqueres (ARH-RJ) abriu o encontro com uma introdução sobre o histórico legal da contratação de PCDs no Brasil. Em seguida, Monique Zanatta apresentou as atividades ligadas aos projetos de Responsabilidade Social da Firjan. Com três frentes de trabalho, a instituição fornece suporte às empresas nas áreas de RSE ligadas à capacitação, inovação e diversidade. Um dos programas do núcleo atua com objetivo de formar e capacitar PCDs. “Trabalhamos com uma metodologia adequada a cada empresa, que inclui diferentes etapas e atividades, entre elas, sensibilizar todos os colaboradores, incluindo os PCDs, quanto ao tema e seus desafios”, explicou.

Programas para diversidade e inclusão

O projeto Disability Program é um programa global da Total realizado em 130 países com operações do Grupo. O diversificado tecido cultural em que a empresa se insere acaba por tornar mais desafiadora a gestão das ações de diversidade e inclusão, que devem levar em conta as especificidades de cada região. Como direcional, a Total segue as boas práticas orientadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). São mais de 120 mil colaboradores, distribuídos em diferentes continentes: África, Ásia, Europa, América do Sul e do Norte. Esta amplitude faz com que a figura dos embaixadores seja essencial para disseminar internamente as práticas da empresa e despertar o olhar de todos para o tema. “Nosso maior desafio é sensibilizar nossos stakeholders e desenvolver embaixadores na empresa que liderem o tema”, contou Fábio Martins, especialista em Recursos Humanos da Total E&P do Brasil.

Sensibilizar gestores também faz parte dos programas da Michelin, que focam a diversidade para alavancar performance. O Grupo promove eventos e campanhas a partir de diferentes frentes, como viés inconsciente, contratação de intérpretes e capacitação em libras, encontros de integração com PCDs, entre outros projetos e atividades. “A diversidade é um ativo fundamental e alavanca de desempenho. Cada pessoa é única e contribui para um ambiente mais inclusivo e diverso”, destacou Elisabeth Cabral, recrutadora da Michelin.

^